LIVRAI-NOS DE NÓS MESMOS

Jesus, hoje e sempre meu Senhor e Redentor, lhe peço que insistas em ter-me Teu na eternidade.

E para tal, rogo ainda que dignes a este pecador ser livre de si.

Cristo e Senhor, livrai-me de mim quando minha língua pesar em conjecturas contra o meu semelhante.

Que não seja sua reputação esmagada pela impiedade do meu falar.

Meu Rei Jesus, livrai-me de mim quando meus ouvidos atentarem-se para a fofoca, para a imoralidade sempre inoportuna e para o silêncio rompido em futilidade.

Que não seja o meu próximo depositante do mal em minha alma.

Meu Deus humano, livrai-me de mim quando meus olhos olharem em demasiado para a aparência do pobre, diminuindo a sua condição; quando eles mirarem demais a beleza dos corpos, diminuindo a importância da alma; quando eles olharem demais para tudo e nunca para Ti.

Livrai-me de mim e de minhas maldades.

Livrai-me de mim e de minha indiferença.

Livrai-me de mim e do meu rancor.

Sofro em mim mesmo.

Sofro por não amar-me, semelhança Tua, e por desejar o aparente ao Teu coração benevolente.

Livrai-me do mal que eu mesmo sou para mim, para o outro e contra Ti.

Livrai-me de mim,

Amém!