MÃOS QUE TRAZEM A CARIDADE – DOM MANOEL DELSON

Dom Frei Manoel Delson Pedreira da Cruz
Arcebispo da Paraíba (PB)

Aspirai a dons mais altos. Aliás, passo a indicar-vos um caminho que ultrapassa a todos. (I Cor 12, 31).

Na carta aos Coríntios, São Paulo, o apóstolo mais dedicado a difusão do Evangelho, nos aponta um caminho que, segundo ele, ultrapassa a todos, ou seja, é a direção sublime, o caminho a ser levado em mais alta conta por um cristão, a Caridade.

A caridade é a virtude teologal que nos leva a amar a Deus sobre todas as coisas, por si mesmo, e a nosso próximo como a nós mesmos, por amor de Deus. (cf. CIC, 1822). A caridade é parte fundamental da vida da Igreja. Por graça de Deus, não é diferente em nossa Arquidiocese, onde os fiéis se configuram cada vez mais a prática da caridade, quer seja de modo individual, quer seja de modo organizado em grupos de pessoas nas paróquias, movimentos, pastorais e novas comunidades.

São inúmeras as práticas de caridade que predominam em meio ao nosso povo, desde as mais variadas pastorais que atendem aos nossos irmãos de rua à criação e manutenção de hospitais para tratar dos enfermos e espaços próprios para atendimento de dependentes químicos. “A finalidade de todas as nossas obras é o amor.” Santo Agostinho.

Um exemplo que traduz a prática da caridade de nosso amado povo é o trabalho realizado pela Comunidade Filhos da Misericórdia, fundada por Padre George Batista, com sede em nossa Arquidiocese, que através do apostolado e serviço à Igreja, atende predominantemente os pobres. Acolhe crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, acolhe e cuida dos idosos, assiste diariamente os nossos irmãos de rua ofertando alimento, banho e oração, acolhe e cuida de crianças com necessidades especiais, e em breve acolherá e cuidará dos idosos com câncer das cidades do interior do estado, que vem fazer o tratamento na capital.

A prática da caridade, essência de nossa Igreja, se multiplica a cada paróquia, cada grupo de oração, pastoral, movimentos católicos, novas comunidades, a cada coração que pulsa no desejo de semear o Evangelho em cada coração, sobretudo, no amor e no cuidado com o próximo assim como nos pede nosso Senhor Jesus Cristo. Que nossas mãos, apoiadas pelas mãos caridosas da Virgem Maria, nos ajude a estender sobre as dores da humanidade, o remédio que cura, o óleo que alivia e restaura. Nossas mãos são fracas, mas quando sustentadas umas nas outras, tornam o Evangelho na força que pode transformar o mundo.

 

CNBB